Por que os estudantes odeiam teoria?

38

Eu estava participando de um painel de reunião CII hoje, onde os membros estavam falando sobre a necessidade de uma boa base teórica para os estudantes de gestão. Este é um jargão comum dos recrutadores que fazem o recrutamento do campus, “Faltam aos estudantes a compreensão teórica/conceitual.” Por que é tão difícil para institutos educacionais transmitir uma boa fundamentação teórica, quando esse é o cerne de cada acadêmico?

Vejamos a perspectiva do aluno. Com anos de memorização, o ensino “maquinal” criou uma aversão à própria palavra “teoria”. Quando um aluno ouve o termo conceitos, estruturas, modelos, teorias, leis, o que atravessa sua mente é “isso é algo que eu teria que memorizar“. O medo pode ser perdido, mas é uma realidade para muitos. Para uma geração do Google que está acostumada a respostas instantâneas a cada pergunta, conhecer a teoria, apreciar seus significados e aplicações e criticar suas limitações é muito mais que um esforço.

Eu quero aprender coisas que eu posso aplicar na vida real“. Embora muitos dos conceitos estratégicos talvez não sejam algo que os modernos possam usar nos primeiros anos de seu trabalho, muitos estudantes são incapazes de apreciar o fato de que é o pensamento estratégico e a capacidade de usá-lo em diferentes estruturas que os ajuda a crescer em suas carreiras.

Outro jargão comum é: “Não é prática”. A teoria é algo que está lá nos livros e a prática é o que estaríamos fazendo ao trabalharmos nas organizações. Este enorme abismo entre teoria e prática ao longo dos anos só aumentou. Na verdade, parece um paradoxo estranho, especialmente na literatura da gestão, onde a maior parte da teoria realmente vem da observação de práticas prevalentes.

Isso nos leva aos outros culpados por uma apreciação falha da teoria, a faculdade. O número de “puristas teóricos” apaixonados que podem fazer uma narrativa eficaz de teorias e fascinar audiências é muito poucos. Além disso, o estilo dominante de aprendizagem de uma grande parte do estudante universitário atual parece ser mais de ativistas/pragmáticos do que teóricos/pensadores. Para que eles tenham uma apreciação da teoria, a entrega tem de ser experimental ou com aplicação baseada. Isso exige que o corpo docente seja bom não só na teoria, mas também na incorporação de exercícios experimentais e baseados em aplicativos que ajudam os alunos a perceberem a aplicabilidade dos conceitos. Este é um desafio para muitos professores, pois eles próprios têm uma exposição limitada do mundo ao seu redor. Anos entregando o mesmo conteúdo tornou-os impenetráveis para a natureza mutável da interpretação e uso dos conceitos. Enquanto muitos institutos e professores reconheceram isso e estão se movendo em direção à pedagogia mais adequada aos estilos de aprendizagem da geração atual, a mudança em si tem vários problemas. Enquanto casos, jogos e simulações foram destinadas a reforçar os conceitos subjacentes, ao longo de um período de tempo esses “meios” tornaram-se os “fins”. E assim, no final do dia, os alunos são capazes de recordar a história ou o jogo, mas não a teoria ou conceito que deveria ser entregue.

O terceiro culpado é a indústria em si que está lamentando o fato de que eles perdem o aluno conceitualmente enraizado. Em vários fóruns enquanto se dirigem a estudantes, os adeptos da indústria reivindicam: “o que você está estudando nas salas de aula não ajudará no local de trabalho, e sim sua atitude, personalidade, habilidades de comunicação etc.”. Embora eu entenda que é um grito de guerra orientado a cobrar jovens estudantes para se prepararem para o mundo à frente, o que muitos especialistas da indústria não percebem é que esta mensagem é lida por mentes jovens impressionáveis como se não precisássemos de teorias e conceitos. Isso é reforçado ainda mais durante o processo de seleção, onde uma série de recrutadores se atêm a questões genéricas (quem precisa testar conceitos … a CGPA me diz sobre isso … não é!) e selecionam os mais inteligentes que podem falar o seu caminho através disso. Assim, os institutos continuam produzindo discursos suaves e inteligentes com grandes atitudes (eu posso fazer tudo) com uma compreensão muito superficial dos conceitos que o instituto passou dois anos oferecendo.

Texto original por: Dr. Romina Mathew

Tradução por: Crislayne Santos

COMPARTILHAR